Archive for the 'Cinema' Category

13
abr
11

Rio + Alô amigos

Hoje tive o prazer de assistir a nova animação da Blue Sky Studios, Rio!! Simplesmente lindo!

Não dá pra falar de Rio, sem antes falar de Carlos Saldanha. Carlos nasceu no Rio de Janeiro, em 20 de julho de 1968. Mestre em Artes se especializou em animação digital na School Of Visual Arts, em Nova York. Foi ele quem criou o querido Scrat, o esquilo de Era do Gelo, filme de 2002 em que atuou como co-diretor. Considerado uma das personalidades mais talentosas e criativas da Blue Sky Studios (fundada em 1987, desde 1997 foi adquirida pela 20th Century Fox), dirigiu as seqüências Era do Gelo 2 e Era do Gelo 3, e agora, seu mais recente sucesso Rio (foi ele também,  quem escreveu a história que originou o roteiro do filme).

O nome já diz tudo, Carlos tem a oportunidade de dirigir uma verdadeira Ode à sua terra natal, o Rio de Janeiro: muito carnaval, samba, funk, a favela e a bela natureza brasileira, com destaque especial para as lindas e coloridas aves brasileiras. Rio tem como protagonista Blu, uma arara azul. Não vou contar detalhes do filme, aconselho a todos a irem ao cinema e se deleitarem com o festival de cores e música proporcionados por esta animação!

A trilha sonora de Rio é um misto de música americana (Say You, Say Me de Lionel Richie, caiu muito bem… hehehe), com muita música brasileira. John Powell, Sérgio Mendes e Will i.am são alguns nomes que fizeram parte da composição da trilha, que é magnífica! Também temos vozes ilustres nas dublagens: Will.i.am. (vocalista dos Black Eyed Peas) ; Anne Hathaway (O Diabo Veste Prada); Jane Lynch (a treinadora malvada Sue, do seriado musical Glee) e Rodrigo Santoro.

A abertura de Rio é fantástica e chega a emocionar! Realmente muito linda! E pra quem já assistiu é impossível não fazer uma conexão com uma outra animação que homenageia esta terra brasilis: Alô Amigos!

Alô Amigos é uma animação da Disney de 1942. A animação possui quatro partes, cada uma dedica-se a mostrar características de cada região da América do Sul. Mas quero ressaltar aqui a quarta parte, que é a que justamente fala do Brasil, e novamente tivemos o Rio de Janeiro como palco.  Foi neste filme que nasceu o Zé Carioca, que mostra ao Pato Donald alguns locais do Rio de Janeiro, ao som de Aquarela do Brasil. Ary Barroso, o autor da canção, chorou ao ver a homenagem realizada pelos estúdios Disney.

Aqui segue esta linda animação para que vocês assistam, vejam o Pato Donald caindo no samba:


 

25
jan
11

Dos Filmes Que Vi – Wings (1927)

Filme de guerra. Preto e branco. Mudo.

A história se passa durante a 1ª Guerra Mundial, e como todo filme de guerra, há romance: dois pilotos americanos, Jack Powell e David Armstrong, apaixonados pela mesma garota, lutam lado a lado contra a Alemanha. Apaixonado, Jack não nota que sua vizinha, Mary Preston o ama! Ela se alista, e vai trabalhar como enfermeira, na esperança de encontrá-lo durante a Guerra.

O filme é realmente muito bonito, e pra quem tem paciência de assistir um filme mudo e ainda em preto e branco, de duas horas e meia, eu digo: vale a pena!!

Wings foi dirigido por William A. Wellman e estrelado por Clara Bow (Mary Preston), Charles “Buddy” Rogers (Jack Powell) e Richard Arlen (David Armstrong)

Vale destacar também o papel de El Brendel, o bem humorado soldado Herman Schwimpf. Com o nome completamente alemão, os coronéis, generais e afins, tendem a implicar com ele, dizendo que ele lutará a favor dos inimigos. Ele se faz de ofendido, os chama pra briga fazendo que arregaçará as mangas (suas camisas nunca tem mangas), só para daí mostrar sua tatuagem com a bandeira americana, com a inscrição Stripes and Stars Forever. Todo mundo cai na gargalhada depois do clima de tensão que ele causa.

Além do belo roteiro, há mais um motivo para assistir Wings: ele foi o primeiro ganhador do Oscar de melhor filme (aliás, foi o único filme mudo a ganhar um Oscar). E não foi só isso, faturou também a estatueta de Melhor Engenharia de Efeitos (hoje efeitos especiais). A cerimônia de entrega ocorreu no Hollywood Roosevelt Hotel, no dia 16 de maio de 1929, e premiou os filmes estreados entre 1º de Agosto de 1927 e 1º de Agosto de 1928.

 

04
nov
10

Corrente Cultural

Sem muitas delongas e com um certo atraso, este post é para divulgar a Corrente Cultural 2010, que começou ontem (por isso o atraso!!) e vai até dia 14/11.

Trata-se de uma série de eventos culturais, incluindo: exposições fotográficas e de arte, mostras de cinema, apresentações teatrais, oficinas de diversas áreas, apresentações de dança, palestras, apresentações musicais (samba, choro, grupos vocais, corais, música de camera, orquestras, rodas de capoeira, fandango), circo e claro, shows!!

Nos dias 06 e 07, ocorrerá a chamada “Virada Cultural”, eventos diversos invadirão vários pontos da cidade entre sábado e domindo próximos, madrugada à dentro!!

Para pegar todo o programa (é muita coisa, não caberia eu dizer tudo aqui) acessem: www.correntecultural.com.br

Destaques para os shows do Pato Fu (yess!!), Roberto Carlos (imagina ver “O Rei”, e ainda de graça?), Erasmo Carlos, Mart’nália, Paulinho da Viola, Arrigo Barnabé, Sandra de Sá e Hermeto Pascoal. Não deixem de ver também a mostra de música independente de Curitiba, no Tuc, organizada pelo Geto (Getúlio Guerra, você pode acessar o blog dele aí ao lado >>>>>>>). Vale destacar também uma exposição dos 50 anos de filosofia francesa, na sede do grupo Aliança Francesa. E pra quem ainda não conhece nossos excelentes grupos mantidos pela Fundação Cultural, esta é a oportunidade de ver apresentações da Orquestra à Base de Corda, Orquestra à Base de Sopro, Vocal Brasileirão e Vocal Brasileirinho!! Tudo o que estes grupos fazem é nota 10!!

No site da corrente, há um PDF com endereços, o histórico de cada lugar, e toda a programação, além de uma mapa pra ficar mais fácil a localização dos eventos.

E pra finalizar, quero ressaltar que é tudo GRATUITO!!

Ou seja, não há desculpas pra não participar!!

CORRENTE CULTURAL – A ARTE FAZ PARTE DA SUA VIDA.

http://correnteculturalcuritiba.blogspot.com/

http://www.correntecultural.com.br/

12
ago
10

Cinema e Música

Dois temperos essenciais no caldeirão da pessoa que vos fala…


Estou cadastrada no newsletter da Fundação Cultural de Curitiba, sendo assim, sempre estou por dentro quando surge algo na programação cultural da cidade. Quem fala que Curitiba é pobre no quesito cultura, engana-se. Aqui há muita coisa a ser explorada, a ser visitada, vista, escutada…

Ontem, pude ter o privilégio de assistir a um destes eventos. Tratava-se de uma sessão com curtas de música do acervo CTAv (Centro Técnico Audiovisual  do Ministério da Cultura), na Cinemateca, para lançar a edição n 51 da revista Filme Cultura, revista esta publicada entre 1966 e 1988, que voltou a circular este ano.

Aqui falarei um pouco sobre os curtas da programação. Para quem não soube a tempo ou não pode comparecer ao evento, eu descolei os curtas na internet, com exceção do primeiro: o tempo e o som. Assistam, isto é música popular brasileira, da mais alta qualidade!

O tempo e o som

Curta dirigido por Bruno Barreto, que também dirigiu os longas Dona Flor e Seus Dois Maridos (1978); Última Parada 174 (2008); Bossa Nova (2000) e O Que é Isso, Companheiro? (1997) – indicado ao Oscar como melhor filme estrangeiro; e Walter Lima Jr., que também dirigiu os filmes Os Desafinados (2008); A Ostra e o Vento (1997) e Menino de Engenho (1965) entre outros e  foi ganhador do Urso de Prata, no festival de Berlim por Brasil Ano 2000 (1969).

O curta tem como tema a origem da Bossa Nova. Traz imagens do Rio de Janeiro na década de 60 e também, imagens de Tom Jobim, João Gilberto, Johnny Alf, Baden Powell e outras figuras que tiveram participação na construção do gênero.

Partido alto

Dirigido por Leon Hirszman, um dos expoentes do Cinema Novo, ganhador do Urso de Ouro com Eles Não Usam Black Tie (1981).

Este curta tem participação de Paulinho da Viola, Candeia, Manacéia, entre outros. Mostra a execução de várias canções e também, as variações deste estilo. Filmado nos morros cariocas, o documentário traduz o estilo de vida dos sambistas, e também, a constante improvisação dos “partideiros”. Parafraseando Candeia, citação que também é usada no curta: “Um bom partideiro só chora versando”. (Não, este verso não é do D2, hehe).

Este eu achei na net, para assistir o curta:

http://video.google.com/videoplay?docid=-3298147007389629570#

Chorinhos e chorões e Heitor dos Prazeres

Ambos foram dirigidos por Antonio Carlos da Fontoura. O primeiro de 1974, narra a origem do gênero (o choro), e mostra imagens dos grupos Época de Ouro, de Pixinguinha e os 8 Batutas, Jacob do Bandolim, entre outros. O segundo curta, é de 1966 e é narrado pelo próprio pintor e sambista Heitor dos Prazeres, com imagens de algumas de suas obras e de seu ateliê.

Para assistir Chorinhos e Chorões:

http://portacurtas.uol.com.br/pop_160.asp?cod=4749&Exib=1

Para assistir Heitor dos Prazeres:

http://portacurtas.uol.com.br/pop_160.asp?Cod=5056&Exib=1

Álbum de música

Dirigido por Sergio Sanz, narra a origem da MPB. Começa com o surgimento do primeiro samba (Pelo telefone), segue citando o choro, a bossa nova e a tropicália. Rico em imagens, também traz depoimentos de Nara Leão – que defende a idéia de que a Bossa Nova foi o primeiro gênero brasileiro que surgiu de um grupo elitizado, com pessoas de cultura, diferente de outros gêneros, que nasceram nos morros, como forma de manifestação popular – e também de Nelson Motta. O curta também traz imagens de Cartola, Nelson do Cavaquinho, Almirante, Pixinguinha, Maria Bethânia, Carmen Miranda, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Chico Buarque, entre outros gigantes de nossa música popular. Foi o curta de que mais gostei! Vale a pena conferir!

Para assistir Álbum de Música:

http://www.portacurtas.com.br/pop_160.asp?cod=4745&Exib=1

Carmen Miranda

Dirigido por Jorge Ileli, foi o último curta exibido na mostra. Narra a história da “pequena notável”. Lindas e clássicas imagens, com cenas de filmes e musicais protagonizados por Carmen Miranda, depoimento de César Ladeira (radialista que deu o apelido de pequena notável à Carmen), e também, cenas de seu adeus em 1955.  Também recomendo!

Para assistir Carmen Miranda:

http://www.portacurtas.com.br/pop_160.asp?Cod=4747&Exib=1

E claro, para finalizar, não podia deixar de agradecer à Tiane pela companhia! Valeu Tiii!! Espero que tenha gostado!!

E a todos os visitantes: deixem seus comentários! É importante para incentivar novos posts e para que este espaço não fique abandonado!! Afinal, de que adianta escrever um blog, se não há pessoas para lê-lo?? Hehe…

E mais um obrigada para todos que sempre passam por aqui!

Deixarei uns links para quem quiser mais informações:

Fundação Cultural de Curitiba – http://www.fccdigital.com.br – Site da FCC. Notícias, agenda e também, faça como eu, cadastre-se no newsletter e fique por dentro da programação cultural de Curitiba.

Revista Filme Cultura – http://www.filmecultura.org.br/ – Site da revista que é referência sobre Cinema.

Um que tenha – http://umquetenha.org/uqt/ – Blog para baixar música (aqui você encontra muita MPB, vale a pena escutar TUDO que estiver postado).

Porta Curtas Petrobras – http://portacurtas.org.br/index.asp – Para assistir mais curtas, navegue no site… Muita coisa legal de se ver!

Centro Técnico Audiovisual – http://www.ctav.gov.br/

24
nov
09

Cinema e literatura…

O que vem a ser paixão?

Segundo o AURÉLIO:

Paixão: 1. Sentimento ou emoção levados a um alto grau de intensidade. 2. Amor ardente. 3. Entusiasmo muito vivo. 4. Atividade, hábito ou vício dominador.

O que seria dos meus dias sem um bom filme para assistir ou sem um bom livro para ler??

LITERATURA:

Hoje (ou melhor, ontem) terminei de ler o novo do Dan Brown… O Símbolo Perdido, segue a já conhecida receita de bolo que o fez ser autor de vários Best-Sellers: assassinatos + mistérios + Robert Langdon acompanhado de uma mulher que o ajuda a desvendar a trama toda. O que realmente prende o leitor em seus livros, é sua habilidade de misturar arte, história e ciência no mesmo “caldeirão”. Desta vez o tema escolhido é a maçonaria.  Grande candidato a nova adaptação para o cinema, o autor resolve voltar à fórmula que fez de O Código da Vinci e Anjos e Demônios sucessos absolutos, o que não se pode dizer, dos últimos Fortaleza Digital e Impacto Profundo. Vale a pena, e como seus antecessores, é uma leitura rápida, visto que você “engole” o livro pra saber o que acontecerá no próximo capítulo!

CINEMA:

Final de semana de estréia: o aguardado LUA NOVA, adaptação do romance de mesmo título da escritora Stephenie Meyer. O segundo de uma série de quatro livros (Crepúsculo, Lua Nova, Eclipse e Amanhecer), Lua Nova me trouxe a impressão de que a autora estava se “encontrando”, tentando dar continuidade ao seu best-seller, o já conhecido Crepúsculo, que trouxe a tona novamente o culto aos Vampiros. Apesar de não ter gostado do livro, gostei muito de sua adaptação. Mérito da roteirista Melissa Rosenberg, que soube tirar o melhor de sua páginas para dar vida ao filme. Resultado: primeiro filme que assisto que saiu melhor que o livro!!

Entusiasmo, vício, emoção! Abra um livro, vá ao cinema!! Apaixone-se!!

13
set
09

2009: Ano da França no Brasil

No finalzinho do ano passado, li um artigo na Gazeta do Povo, comunicando que o ano de 2009, seria o ano da França no Brasil.

Sendo assim, estavam programados vários eventos, em várias cidades por todo o país, para divulgação da cultura francesa. Dentre os eventos, a cidade de Curitiba foi escolhida para sediar a exposição dos irmãos Louis e August Lumière.

Irmãos Lumière

Fiquei super empolgada! E também me senti sortuda e realizada, pois minha cidade receberia uma exposição dos pais do cinema e dos inventores dos Autocromos Lumière (a primeira revelação colorida de fotos). Comecei a acompanhar religiosamente os eventos culturais, até que o Museu Oscar Niemeyer divulgou o evento em sua programação.

Hoje, como todo bom brasileiro, na última hora, do último dia da exposição, fui lá conferir…

Exposição no MON - Autocromos Lumière

Não tinha como não sorrir diante das reproduções dos primeiros filmes realizados em toda a história da humanidade!

Além dos filmes, uma coleção de autocromos, para demonstrar a aplicação da nova tecnologia, que só foi substituída 30 anos depois, quando foram inventadas as revelações coloridas através de elementos químicos (os Lumière usavam fécula de batata). Abaixo, segue foto de um autocromo da exposição. Levei um “pito” do segurança, pois só era pertimido tirar fotos panorâmicas. Bem, esta eu consegui enquadrar…

Fabricante de marionetes em Lyon - Placa Autocromo Lumière

Também foi gratificante ver que a galeria reservada à exposição estava lotada! Pois sei que eventos culturais são pouco divulgados, e grande parte da população não costuma inseri-los no seu dia a dia.

– – –

Hoje também, terminei de ler mais um livro: André Midani: Música, Ídolos e Poder. Do vinil ao download. Minha surpresa foi que, nos últimos capítulos, Midani descreve a corrida contra o tempo que foi para ele organizar, a convite do Ministério da Cultura, o ano do Brasil na França!

Coincidências…

Ali deu pra ter uma idéia da dimensão deste tipo de evento e também como é raro acontecer entre países…

– – –

Deixarei uns links para quem quiser mais informações:

Ano da França no Brasil: http://anodafrancanobrasil.cultura.gov.br; é possível consultar os eventos por região.

Instituto Lumière (página em francês):  http://www.institut-lumiere.org/

Artigo sobre os Irmãos Lumière publicado na Revista Superinteressante: http://super.abril.com.br/superarquivo/1991/conteudo_112830.shtml, vale a pena ler!

André Midani: http://www.midani.com.br/

Ps.: O ano da França no Brasil é uma “retribuição” ao Ano do Brasil na França, que ocorreu em 2006.




Categorias

TWITTER